segunda-feira, 19 de junho de 2017

A Escola Ideal



Hoje gostaria de falar sobre a e educação, escola e conhecimento, mas prometo não ser um discurso clichê que a gente vê sempre nos jornais e revistas, que sempre falam a mesma coisa do problema de educação no país que vem da falta de investimento do governo devido toda essa palhaçada que é o governo brasileiro que esbanja corrupção e não investe em saúde e educação etc. Já estamos enfadados e isso não muda, não importa quantos livros do Paulo Freire e de outros escritores circulem por aí, a questão não muda e a escola está virando uma ditadura, por razões muito simples: porque quem  não vai à escola não recebe diploma, e consequentemente não arruma emprego, ou quem não passar de ano pode ficar sem o celular (antigamente era surra), enfim, ninguém vai à escola para aprender e se construir e sim para passar de ano. Resultado: Muitos colam, decoram e depois esquecem o que colou ou decorou e passa de ano sem saber nada. Para por aí? Não! Depois isso se repete na faculdade. O Wikipédia da internet é uma fonte de pesquisa, um sistema "CTRL+C / CTRL+V" e fica todo mundo ignorante e depois isso resulta em toda uma sociedade estragada por péssimos médicos, psicólogos, advogados, políticos etc. Pessoas que têm muita responsabilidade nas mãos e são péssimos profissionais que só colaboram para tudo piorar cada vez mais. Isso sem contar os efeitos do mau uso da internet, que era para ser uma ferramenta de ajuda mas infelizmente tem muita gente viciada e não se dedica em nada porque vive com o celular na mão.
Não sou a dona da razão, mas quero falar no que as escolas tanto pecam, embasada no que leio e ouço de escritores muito inteligentes como Rubem Alves, Ariano Suassuna e Adélia Prado.
Olha só essa reflexão de Rubem Alves:

"Se fosse ensinar a uma criança a beleza da música não começaria com partituras, notas e pautas. Ouviríamos juntos as melodias mais gostosas e lhe contaria sobre os instrumentos que fazem a música. Aí, encantada com a beleza da música, ela mesma me pediria que lhe ensinasse o mistério daquelas bolinhas pretas escritas sobre cinco linhas. Porque as bolinhas pretas e as cinco linhas são apenas ferramentas para a produção da beleza musical. A experiência da beleza tem de vir antes."
Rubem Alves

Impressionante como eu estudei muito mais depois que já tinha o diploma do 3° grau. E isso já ouvi falar que aconteceu com muita gente, inclusive com intelectuais. Não me lembro de eu pegar os livros da escola em casa pra eu estudar por gosto e sim porque ia cair na prova. Eu tirava notas muito boas mas e depois? Eu procurava saber mais? Esquecia tudo o que eu tinha estudado. Não estou dizendo que meus professores não eram bons, sim havia muitos professores bons. Mas esse sistema de notas acho um absurdo mesmo. Hoje eu amo ler, pesquisar, saber mais, pois não tenho que me preocupar com as notas né.
Rubem Alves diz em um vídeo, que o conhecimento e a inteligência devem ser provocados pelo professor no aluno. Depois de provocados, eles acordam e a partir daí nasce uma sede interminável de saber. E a maioria em todos os anos de escola não são provocados, porque a escola não deixa, fica dando tanto trabalhos e provas que o aluno não consegue focar em aprender.
Adélia Prado diz que no caso da Literatura, o professor deveria oferecer como um tesouro a ser descoberto, e não é o que acontece. "Leiam Machado de Assis neste bimestre porque vai cair na prova." Pronto, acabou com a literatura. Como alguém se interessa? Por que não transmite essa riqueza com verdadeira emoção como se estivesse vendendo uma pizza cheirosa e saborosa?


O professor deve saber vender seu peixe, trata-se de conhecimento e de pessoas que estão sendo formadas para o futuro de nosso país e do mundo. Deve-se falar com entusiasmo, se ele mesmo não transmitir a importância com seus gestos e voz, como o aluno vai se convencer de que aquilo realmente importa? Infelizmente já tive professores que me fizeram odiar a matéria, e alguma que até eu gostava antes. Lamentável né. No livro "Uma professora muito maluquinha" Ziraldo retrata o ideal professor e educação na personagem "Cat", a professora maluca que não quer dar provas mas faz todo mundo amar a ler e querer saber de tudo, os alunos entravam correndo na sala e não queriam que a aula acabasse. O livro é uma homenagem ao papel do professor e ao mesmo tempo uma crítica ao que o professor está sendo no Brasil. Inclusive já falei dele aqui .




Ariano Suassuna vai fundo nessa afirmação, sim o professor tem que ser ator, ele é um grande artista de deve transmitir conhecimento de maneira honrável. A desvalorização do professor e da educação no nosso país deveria ser uma preocupação para todo mundo, não só para os professores. Infelizmente cada um só pensa em si, mas deve-se pensar que o professor forma todas as profissões, então ele é um sujeito super importante que deveria sim ser muito valorizado, por isso o país está do jeito que está.



Enfim, era isso que eu tinha a dizer. Concordo muito com essa escola ideal que esses escritores falam. A escola é muito importante, mas infelizmente quem ama estudar, ler e escrever, ando vendo que não foi na escola que começou a amar. Possamos refletir sobre isso. E aproveitem do jeito certo a internet, temos o mundo nas mãos, acesso a muito conhecimento, não vamos desperdiçar os livros "queimando todo dia mil bibliotecas de Alexandria" como diz a música de Tiago Iorc. Para encerrar deixo mais um trecho do nosso admirável e saudoso Rubem Alves:


"Há escolas que são gaiolas e há escolas que são asas.
Escolas que são gaiolas existem para que os pássaros desaprendam a arte do vôo. Pássaros engaiolados são pássaros sob controle. Engaiolados, o seu dono pode levá-los para onde quiser. Pássaros engaiolados sempre têm um dono. Deixaram de ser pássaros. Porque a essência dos pássaros é o vôo. Escolas que são asas não amam pássaros engaiolados. O que elas amam são pássaros em vôo. Existem para dar aos pássaros coragem para voar. Ensinar o vôo, isso elas não podem fazer, porque o vôo já nasce dentro dos pássaros. O vôo não pode ser ensinado. Só pode ser encorajado."
Rubem Alves


2 comentários:

  1. como um representante da geração ''ctrl+c/ctrl+v'' queria dizer umas palavrinhas:

    Não é só a falta de interesse ou a ideia de ''passar com a barriga'' que são os maiores problemas, mas acho que a pior coisa sobre a escola é que o ambiente é desanimador, veja o meu exemplo: Eu faço ensino médio e técnico, ou seja, o horário é muito apertado, estudar (msm na véspera) é quase impossível, e eu sei que esse tipo de coisa ia acontecer cedo ou tarde, você ter que perder noites e noites estudando, mas não significa que isso é bom, não podemos ficar romantizando sofrimento, acho que precisa ter mudanças nesse método de ensino, acho que não só o ambiente escolar, mas a sociedade precisa de mais compaixão, saúde mental é importante, e nesse processo a gente acaba perdendo isso, enfim, ótimo texto

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima observação.Com certeza, concordo sim, são muitos fatores que só colaboram para que a escola não adiante coisa nenhuma, a impressão que dá é que é tempo jogado fora, porque além de ser muito tempo, ainda não é aproveitado, fica apertado pois muitos estudam outras coisas também como cursos técnicos ou cursinhos de idiomas e outros. Vejo como quantidade mas sem qualidade, muito aluno durante muito tempo estudando muita coisa e não absorvendo nada, é degradante tanto para o professor quanto para o aluno.

      Excluir